De Krugman a Michael Roberts, todos contra a MMT?

Os ataques recentes que a MMT vem recebendo em todo mundo só provam que ela tem um enorme poder de tensionar o sistema. Políticos como o Senador Bernie Sanders, que tem a possibilidade concreta de ser o candidato dos democratas à presidência dos EUA nas próximas eleições, é um dos adeptos da MMT. Alexandria Ocasio-Cortez, parlamentar americana, baseando-se na MMT, tem feitos propostas econômicas extremamente radicais que estão gerando grande impacto, sendo considerada uma das mulheres mais importante dos EUA na atualidade¹.


Hoje, um prêmio nobel em Economia, Paul Krugman², dedicou sua coluna no New York Times ao esboço (mal sucedido) de uma crítica à MMT. Ele abre a crítica dizendo que “não acredita plenamente nas finanças funcionais de Lerner” (uma teoria que está dentre os fundamentos da MMT).


Por que ele diz que “não acredita plenamente” ou invés de dizer, simplesmente, que “não acredita”?


A resposta é simples: os pressupostos fundamentais da MMT são irrefutáveis, já que são meramente descritivos. Ou seja, não se trata de hipóteses ou teorias, mas de mera descrição do funcionamento real das modernas economias monetárias. Dito isso, ele se preocupa não em atacar os fundamentos da MMT, mas sim as consequências das recomendações de política econômica derivadas destes fundamentos, ou seja, uma crítica extremamente frágil.


A MMT saiu da fase da excentricidade e entrou no momento em que disputa a grande política, logo os ataques tendem a crescer.


Há três anos, quase ninguém sabia o que era a MMT. A persistência da crise (econômica e ambiental) e a impossibilidade das abordagens convencionais em darem uma resposta concreta aos anseios sociais, torna a MMT extremamente forte e competitiva na guerra das ideias. Vejam a polêmica e impacto que a “novidade” do New Deal Verde³ tem gerado.


E aos meus colegas de esquerda que criticam a abordagem por considerá-la mero reformismo (baseados em abordagens apressadas como a de Michael Roberts), vale lembrar que um reformismo compromissado, se levado ao limite, torna-se revolucionário.

¹ https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2019/01/17/alexandria-ocasio-cortez.htm

² https://www.nytimes.com/2019/02/12/opinion/whats-wrong-with-functional-finance-wonkish.html

³ https://www.nytimes.com/2019/02/14/opinion/green-new-deal-ocasio-cortez-.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s