COMO O GOVERNO IRÁ COMBATER, DURAMENTE, OS PRIVILÉGIOS DAS EMPREGADAS DOMÉSTICAS? A HISTÓRIA DE MARIA.

(Texto baseado em fatos reais, com dados reais.)

Maria tem 65 anos de idade e trabalha desde os 14 anos como empregada doméstica. Ela trabalhou por meio século, mas durante a maior parte do tempo sem nenhum direito trabalhista e não pagando a contribuição previdenciária.

      Hoje, Maria, uma privilegiada segundo o Paulo Guedes, recebe um salário mínimo de R$ 998,00, mas paga, sem saber, aproximadamente, R$ 320,00 de tributos sobre tudo que consome (32% de toda a sua renda). Enquanto isso, o milionário Joesley Batista, pagou apenas 0,3% de imposto de renda em 2016 sobre os mais de R$ 100 milhões que faturou (quase toda a renda do Joesley é isenta de impostos no Brasil). Mas vamos voltar a história de Maria.

      Quando Maria chegou aos 50 anos de idade, conseguiu um emprego com carteira assinada e hoje, com 65 anos, finalmente poderá se aposentar com 1 salário mínimo, já que, com muita dificuldade, cumpriu os 15 anos de contribuição mínimos para demandar o benefício previdenciário. Maria finalmente irá descansar e não precisará acordar às 5 da manhã, ficar horas em um trem lotado e depois esfregar o chão dos patrões. Só Deus sabe como Maria aguentou por tanto tempo uma vida tão dura.

      Maria, neste ano, receberá um salário mínimo de aposentadoria, que será muito útil para ajudar a sua família, pois sua filha, não consegue emprego e nem vaga na creche para as crianças. Depois da crise econômica iniciada em 2015 as coisas ficaram muito difíceis. Quem está segurando a barra na família é Maria que, com o pouco que ganha, garante a alimentação dos seus netos. 

      Contudo, a maioria dos economistas do Brasil consideram Maria uma privilegiada, pois ora, onde já se viu se aposentar tão cedo e com um benefício tão alto? Além disso, eles também alegam que Maria pagou contribuição social por muito pouco tempo, apenas 15 anos. Contudo esquecem o quanto Maria paga de tributos todo santo dia quando compra o arroz e feijão dos netos.

      Dado o diagnóstico, de que Maria é uma privilegiada, esses economistas elaboraram uma reforma da previdência que se estivesse valendo hoje faria com que Maria tivesse duas opções: ou tentar se aposentar pelo BPC com R$ 400,00 agora ou continuar trabalhando até os 70 anos para completar os 20 anos mínimos de contribuição, garantindo a aposentadoria de um salário mínimo. Mas Maria já está com a saúde muito abalada devido ao trabalho pesado que se submeteu durante toda a vida e, provavelmente, não vai aguentar continuar trabalhando até os 70 anos. Enfim, se a reforma estivesse valendo agora, Maria se aposentaria com R$ 400,00. O que já era uito difícil para ela e para os netos, ficará insuportável: como alimentar os netos, comprar remédios e coisas do tipo? Uma crueldade que alguns chamam de combates a privilégios.

      Por falar nisso, os patrões de Maria, acionistas de uma grande empresa e que têm seus lucros e dividendos recebidos isentos além de receberem muito dinheiro de juros do governo brasileiro, estão bastante preocupados com o futuro do Brasil e torcem para a reforma da previdência ser aprovada, já que ouviram na Globo News que é necessário que os privilégios sejam combatidos no Brasil. E eles, como classe média alta responsável, são contra os privilégios. De Maria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s